sábado, 10 de novembro de 2012

'Uirapuru Rei Da Floresta"

     
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Neste alomo destronado*
A voz da natureza ecoa* é o fim!
Sem as flores no jardim*
O necta foi afastado,
Colibri desolado*
Bateu asas e voou!
A abelha não mais pousou*
Deixando triste a roseira,
Que todos botões que nascera*
Nem um mais desabrochou.
 
O orvalho não mais molhou*
A terra endurecida!
Tornou um solo sem vida*
Onde o Ben-ti-vi  cantou,
O eco alegre que silenciou*
Onde a natureza se retrata!
Nas montanhas*campestres e matas*
Morre o verde exuberante*
E todo animal restante*
Da natureza que Deus criou.
 
Um triste lamento da natureza!
Ver seu solo desmatado*
Seus animais expulsos e escorraçado*
Por seres humanos com certeza,
Uirapuru Rei da floresta!
Seu cantar regia uma orquestra*
Uma da mais bela que existe!
Hoje seus súditos tão triste*
Por que não existe mais festa.
 
 
 
                        Maria Machado