quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

"Meus Lamentos"

Vi de tão longe o pôr do sol
Refletindo o beijo mais molhado
Do rio Amazonas,e Tapajós,
Nossos eternos namorados

Por um estante na orla deserta
Eu brinquei do faz de conta,
Contei minha história triste de amor,
A quem não me fez pergunta.

Minhas lágrimas cairam,
Perderam-se com o vento
Só as águas me ouviram,
O eco triste dos meus lamentos.

Gritei!pedir! para o Amazonas me ouvir,
O tapajós me escutar,
Meus lamentos desabafei,
Palavras e palavras,solta pelo o ar.

Pedir de volta meu amor,
Em uma prece a conceição,
Nossa senhora padroeira,
Arrancar a dor do meu coração.

Vi aquelas águas cheias de encanto,
Com tantas lendas e seus segredos,
Pedi a virgem Mãe,cubra-me com teu manto,
Dai-me paz, tira esse medo.

Ó Santarém terra amada,
Torrão onde eu nasci e me criei,
Um dia tive a felidades nas mãos,
Mais que em teu solo,os enterrei.

Debaixo de tuas terras férteis,
Descança em paz meu homem amado,
Que ouviu o escritor lá dos céus,e partiu,
Deixando meu coração,despedaçado

Santa! Pérola do Tapajós,
Se pudessem me responder
Por que um dia fui tão feliz,
E hoje não posso ser?

A brisa soprava meu rosto,
Enquanto o sol se escondia,
Ó Santarém da Conceição,
Como fui feliz um dia!

Saudades do meu único amor,
Nas prais maracanã,Alter-do-chão
Sairé, na caminhada com Maria
A corda milagrosa,e a procissão.

Mas de repente o sol se esconde,
Em um horizonte muito além,
Aos meus lamentos quem responde?
O que faço Santarém?...




                                                       Maria Machado: