quarta-feira, 30 de setembro de 2015

"Lágrimas do SoL"






















O Sol chora, silenciosamente sobre a terra, absoluto, e abrasador!
Seus recônditos soluços niférctros, arduos, agonizando as nações
Destilando um braseiro perverso, inevitável, imbativél, estarrecedor
N'uma fúria tamanha,aos muitos graus escaldantes, nesse árido chão.

Mãe terra chora, com aridez do solo, perdendo seus rios, e nascentes!
Chora o planeta azul inconsolavelmente ao eco triste dos animais em coro,
A lua meiga e alvacenta inconformada, desolada que chora amargamente!
Sob as brumas molhada com as gotas de lágrimas das estrelas, em choro.

Vão-se as águas, diminui as florestas e o verde, devastam a mãe natureza!
Chora Amazônia com a ambição do mundo, inrresponsabilidade dos mortais
Incoerência desumana, que não respeitam e destroem essa glamorosa beleza!
Que aos poucos estão desaparecendo, em alguns anos não existiram, mas.

Lágrimas do Sol...Implacável, chispando fogo aos quatro cantos do vento!
Com um brasário descomonado irreversivél, uma nudez sem cor,e com ardor
Queimam-se a humanidade, queimando todos os neurônios em pensamento,
Com à fúria do Astro Rei ardejante, luzimento escaldante...Criação do Criador.



Obs: Imagem do Google                                                  


Maria Machado