domingo, 25 de março de 2012

"Um % de esperança"

Uma paisagem...De um tempo sem vestígio,
Onde por alguns momentos sóbrios a semelhança,
Tão perto de ti,e ao mesmo estante tão longe,
No ermo do desespero,sem vida,sem esperança.

Naquela tempestade que surgiu d"minha alma,
Sem instinto,só sussurro,sem sobrevivência,
Nada tornará insolúvel,diante do flegelo,
Que a impureza,ao perder-la a consciência.

Entretanto algo semelhante sem pudor,
Só desface,sobre a mente hórrida possuida,
Destruindo-se o opúsculo memoravél intrépido,
Sem prélio,sem deslumbre,a cópia derretida.

Recendia de tão longe,senti que de tão perto,
A brisa obsessiva pairava forte e fugaz,
A força do sol se impondo, onde só havia dor,
Com 1%de esperança,de não ti ver-lo nunca mais.

Já não havia paisagem...Ocultava-se sobre o vento,
Entre as folhas que sobrevoavam sem destino,
Exalando seu cheiro,nas lembranças,eu vi,e senti,
Sua imagem contorcida, pra mais longe foi sumindo.

Naquele momento veio a tempestade procaz,
Devastando rapidamente tudo ao meu redor,
O vento brusco me leva ao antro onde estás,
Segurei-me nas tuas mãos, já não estavas mais só.



                                                                 Maria Machado: