sábado, 3 de maio de 2014

"Meu Segredo"






















Em busca de ilusões denoto meu sonho quimérico obsceno!
Que tarda n'um lugar de alvas dunas e dorme mansamente,
Onde meu amor renasce das cinzas mas forte n'um Aral sereno
Que loucamente anseia por tu'alma que vive de mim ausente.

Nas asas de um desejo errante, meu corpo nu, vive febril,
Um ser inebriado de nudez insânia noturna embriagante
Tresloucada lucidez no rude espelho notório da empáfia vil!
Que parou no tempo, noutra era, na vastidão bem distante.

Onde ouço barulhos que vêm de longe atordoando meu sentido!
Pelos os pingos da forte chuva torrencial que caem bruscamente
Despertando meu mundo que dorme devastado e esquecido!
Onde só há lamentos do meu coração que soluça tristemente.

Ah água que escoa barulhenta me trás de ti doces lembranças!
Sobre o chão gotas de chuvas desenham teu rosto angelizado
Que sossega meu coração que é acordado ávido de esperança!
Com o vento que sussurra teu nome me transmitindo  recado.

O tempo impetuoso passa n'uma velocidade sem deixar rastros!
Em instante estou Eu, meu flagelo agoniante meus ais sem norte!
Esvai-se eu, minha essência levada junto ao pólen dos astros!
Diminuindo meus Outonais, n'uma abreviatura de minha morte.

Retalhos do tempo que esgarçam com o Sol que passa fugaz!
Ámago da vida que não compôe substância apenas arremedo,
Entrego à ti meu corpo minh'alma nas manhãs rúbidas auroras
Desço ao teu submundo escuro onde jaz sepultarei meu Segredo.






OBS: IMAGEM DO GOOGLE                   Maria Machado