domingo, 24 de julho de 2011

Palco de ilusões!

        
     
         













          


           Angústia  do silêncio, devaneio distorcidos
           Na penumbra visões de um reprimido desejo
           Sob um nevoeiro que não passa, meus anseios se confundem
           A escura, uma réstia, é teu rosto, que eu vejo


          A negrura da noite, tortura meus pensamentos
          Desvarios noturnos, delírio e alucinação
          Mão tremula, mente conturbada pelo o medo
          Com lembranças refletidas, em um cenário de ilusão
         

         O tempo passa, misteriosamente pelo o tempo
          Desejos adormecidos despertam-se claramente
          Sob um palco espetacular, por um instante és tu e eu
          Uma paixão desenfreada nos conduz ardentemente

          Nossos corpos são saciados, por algo estranho e absoluto
          Renascido de um desejo, de uma espera sem fim
          De imediato é interrompido, a insânia se desfaz
          Me desperto deparo, tão só diante de MIM.
                          
                          



                                                                                              Maria Machado