sábado, 23 de julho de 2011

A-B-C. Do político Corrupto!!!

(A)    Ao ler esses humildes versos
         Você vai ficar caído
         Vai conhecer o A-b-c
         Do político corrompido
         Sai candidato,ainda é honesto
         Mas se ganha,vira bandido
 
(B)    Bem antes das eleições
         Já começa a falcatrua
         Político enxerga sem óculos
         Abraça os bestas nas ruas
         Daí começa a bandidagem
         A mentira nua e crua

(C)    Com o papo de tagarela
         Dizendo o que vai fazer
         Mostra coisas que não fez
         Gasta o tempo a prometer
         Depois que ganha a eleição
         Já fica cego, não te ver
       
(D)   Depois de eleito e engomado
        Vai tratar de se dar bem
         Logo aparece com o carrão
         Não dar a mínima para ninguém
         O cabra além de ficar mais corrupto
         Fica preguiçosa também

(E)   Entra semana, e sai semana
        Na Câmara não aparece
        Não faz o que  devia fazer
        Só a conta no banco que cresce
        Com o salário, e mas aquele desvio
        O amaldiçoado enriquece

(F)   Fica com o rei na barriga
        Desfila sempre com a mulher
        Engomado e carrancudo
        Sempre agindo de má fé
        Ele estando de barriga cheia
        Morra a mãe de quem quiser

(G)  Gastam e roubam o dinheiro público
       Enche os bolsos sem piedade
       Deveriam cuidar da saúde
       Do povão dessa cidade
       Deixar de enganar o povo pobre
       E fazer política de verdade

(H) Há tantos pobres humildes
      Que na época de eleição
      Acredita nos políticos safados
      Mentirosos,bom ladrão
      Ganha os votos dos menos favorecidos
      Só com um aperto de mão

(I)  Inventam cada mentira
      Só burro para acreditar
      Mas como a arapuca é grande
      Não dá do pobre se safar
      Analfabeto, sem leitura
      Promete o voto,e dar

(J)  Já o eleitor mas estudado
      O negócio é diferente
      Assiste o horário político na Tv
      Ainda avisa os parente
      Vamos votar no fulano
      Que parece honesto e competente

(L)  Lá os eleitores se enganam
       Coma lábia do malvado
       Chega o dia da eleição
       Aquele voto é sagrado
       Aquele fulano ganha a eleição
       Nem se lembra do coitado

(M) Mas assim é a lei da selva
       O bicho maior,come o miúdo
       O político rouba,enche os bolsos
       Não há justiça para o pançudo
       Mas tem a lei do cara lá em cima
       Um dia esse maldito paga por tudo

(N)  Nunca mais pisa nas ruas
        Onde dizia sua mentirada
        As promessas que fazia
        Falando só besteirada
        Fazem sempre o que o peixe faz,
        O que o peixe faz,(NADA)

(O)  O tempo vai se passando
        O que é que a gente ver
         E as ruas esburacadas
         O povo humilde a sofrer
         Com lata d"água na cabeça
         E as vezes sem o quer comer

(P)    O povão não tem saúde
         Porque não come direito
         Se almoça,não tem janta
         Dia-a-dia é o mesmo jeito
         Cai no abismo e não sai mas
         Porque o buraco é estreito

(Q)   Quando é que vai melhorar
         A vida desse povão
         Será que ainda existe um meio
         De acabar com a corrupção!
         Ou será quem já é vírus
         Já virou contaminação!

(R)   Remando contra a maré
        O pobre vive a velejar
         Entra ano e sai ano
         Não há em quem acreditar
         Os governantes não estão nem aí
         Quem quiser vai se danar

(S)   Sempre a corda arrebenta
        Do lado que é mas fraco
        O pobre sofre,e ainda não sabe
        O tamanho do buraco
        Eleger candidatos desonestos,fede tanto!
        Pior que catinga de sovaco

 (T)  Tem coisas que para engrenar
        Precisa de empurrão
        Tem políticos ordinários
        Que deveria está na prisão
        E devolver o dinheiro alheio
        Para mas tarde ter salvação

(U)   Um dia vão ter que pagar
        O dobro vai ser cobrado
        DEUS tarda mas não falha
        Ele vive acordado
        Se dorme é de olhos abertos
        Nunca de olhos fechados

(V)  Vou terminar a brincadeira
        Esse é o final do A-B-C´
        Se a carapuça,servi em alguém
        Que não vá se aborrecer
        Porque não dei nem nomes aos bois
        Mas daria com prazer
 
(X)  Xarope é o político baba ovo
        Aquele que rouba ladrão
        Aquele que envergonha a cidade
        Que mente para o povão
        Será combatido no inferno
        Com água quente e caldeirão

(Z)   Zelador lá dos céus
        Um dia ele vai voltar
         Políticos ladrão,desonesto
         Com certeza vão se danar
         Nas profundezas do inferno
         É onde todos vão parar.